quarta-feira, 17 de outubro de 2018


PÁGINA DO DAMPYR ESPECIAL/2018
As bestas do mundo debaixo - História de Giovanni di Gregorio com desenhos de Andrea Del Campo.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018


NOVO TRABALHO!
Nicola Genzianella nos apresenta outra página de seu novo trabalho dampyriano. Ainda sem data para ir às bancas!

sábado, 13 de outubro de 2018


VELHO MÉTODO!
Dampyr, Tesla e Kurjak, foram parar no Camboja, investigando a ação de não-mortos. Tudo indicava que seriam alguns remanescentes do bando de Tziao-Min. Mas não é bem assim, ao que tudo indica, um novo Mestre da noite, herdou o lugar do anterior. 
Após uma ação bem sucedida, Dampyr usa o velho método de morder o não-morto para conseguir localizar seu mestre! 
Dampyr 207 - O Templo na Selva (História de Giovanni Eccher com desenhos de Luca Raimondo)

quinta-feira, 11 de outubro de 2018


DAMPYR DE NOVEMBRO!
Página da história "Santo vindo da Irlanda"! Desenhos de Nicola Genzianella!

terça-feira, 9 de outubro de 2018


NUM CEMITÉRIO NO CAIRO!
Mulawa pediu ajuda a Dampyr, pois o filho de um amigo seu no Cairo, caiu em sono profundo... nada faz o garoto acordar!
O garoto vive em Moqattan, a cidade da imundice! Lá ele mantém contato com uma simpática senhora.. tudo uma armadilha, para atrair Mulawa e Dampyr a l’Alam-al-Mithal. o mundo intermediário. 
A simpática senhora é Zaphira uma escrava de Samael, que quer se libertar do mundo em que foi aprisionada, por um demônio.
Abaixo, Mulawa, Dampyr e seu neto Khaled, estão a procura de pistas, num cemitério do Cairo, habitado por sem tetos.
Dampyr 168 - Na Cidade dos Mortos - História de Mauro Boselli com desenhos de Nicola Genzianella.

domingo, 7 de outubro de 2018


SE PREPARANDO PARA A BATALHA!
Kenshin Hasegawa, o ronin, pediu ajuda a seu amigo Harlan Draka, depois que sua amada Keiko, foi raptada pela Yakuza e nosso Dampyr não titubeou em ir ao Japão, afinal não se diz não a um amigo.
Na Ilha de Kaze Jima, no Pacífico, está a solução do problema e a liberdade de Keiko. Mas quem está por lá tanto depois da Segunda Guerra Mundial? 
Dampyr 184 - Os Esquecidos - História de Diego Cajelli com desenhos de Fabrizio Russo.

sexta-feira, 5 de outubro de 2018


POBRE ANNELISE!
Hans Vogel é chamado de o "Homem dos Brinquedos" por todos na cidede de Magdemburgo. Sua loja foi arrasada por bombardeios na Segundo Guerra mundial... teve sua vida "salva" pelo Mestre da noite, Sherek!
Desde então o desaparecimento de crianças sempre aconteceu! Seus brinquedos ganham vida e os ajudam a sequestrar as crianças, para mata a sede seu Mestre. Pobre Annelise!

Dampyr 214 - Homem dos Brinquedos - História de Falco, que marcou a estréia de Gino Vercelli como desenhista de Dampyr)

quarta-feira, 3 de outubro de 2018


Nas montanhas de Cuba uma antiga divindade indígena ainda é venerada pelos índios Tainos... Uma divindade já enfrentada por "Che" e que agora cabe a Harlan combater!

CUBA LIVRE!

Dampyr 223
Nas bancas italianas: 04/10/2018
Argumento: Luigi Mignacco
História: Luigi Mignacco
Desenhos: Dario Viotti
Capa: Enea Riboldi
Quando os conquistadores alcançaram a Ilha, antes ainda que se chamasse Cuba, encontraram um misterioso e antigo chefão no local, venerado como o deus furacão pelos indígenas. Desde então este potente Mestre da noite comanda na sombra e, tanto os revolucionários de "Che" Guevara quanto Dampyr e seus pards têm que lidar com a fúria de Huracán!









 
Publicado originariamente no site: www.sergiobonellieditore.it

segunda-feira, 1 de outubro de 2018


O suicídio de Aleister Crowley

História e roteiro: Mauro Boselli
Desenhos: Michele Cropera
Capa: Enea Riboldi

Crítica de Paolo M.G. Maino


Depois da belíssima trilogia dos Dampyrs 217-219, volta às páginas do matador de vampiros da Editora Bonelli, o co-criador da série, bem como, o curador da mesma, Mauro Boselli, e o faz com uma história dampyriana até a medula. É dampyriana no sentido do horror típico da série ou o confronto com os grandes poderes malignos e poderosamente irracionais (presença dos Grandes Antigos lovecraftianos explicitamente citados neste episódio); é dampyriana por ser ligada fortemtente à continuidade por contar um episódio singular (o suicídio simulado de Aleister Crowley) que vem com a marca registrade Boselli, reconduzido à trama das histórias de Harlan e companheiros; é dampyriana porque como acontece frequentemente, cada ator da história desempenha um papel no todo, tanto que Harlan mesmo aparece às vezes, parecendo um coadjuvante (mas este é um outro ponto do realismo dampyriano); e é dampyriana, enfim, pelo jogo contínuo dos planos temporais e de conseguir ser plausível de momentos que permaneceram misteriosos e em que viemos a ser conduzidos: neste caso, a relação entre Pessoa e Crowley,
E com isso, dissemos todos os motivos que fazem a história e roteiro funcionarem e seguirem os ditames da série que já tem quase vinte anos.
Mas digamos algo mais sobre a "coisa": Harlan, Kurjak e Tesla partem para Portugal, seguindo as visões de Ann Jurging, agora namorando Bobby Quintana, se pensarmos na primeira aparição dos dois na série, daremos boas risadas... mas há um fator comum, desde o início, que os une: foram criados por Maurizio Colombo! Ann está procurando adquirir mais informações possíveis sobre o mago Crowley, um personagem que no passado já se opôs a Sho-Huan e que Harlan e Caleb estão procurando reconstruir a biografia com precisão. Ann, sendo ela também dotadas de potentes poderes mágicos, parece ser a mais indicada para reencontrar traços do mago inglês da primeira metade do século XIX... absolutamente normal!
Em particular esta procura pelo passado de Crowley - um passado que, no entanto, para Ann torna-se uma experiência real, como no caso das cenas apocalípticas do terremoto/tsunami que devastou Lisboa em 1755 - nos leva a conhecer o outro protagonista da história que aparece em primeiro plano na capa de Enea Riboldi, ou seja, o poeta Pessoa, homem e artista das múltiplas personalidades e portanto, por essa razão, em sintonia com Dampyr.
Não adicionaremos mais nada, para não tirar o prazer da leitura daqueles que ainda não leram, mas uma última consideração pode ser feita: o tema das identidades múltiplas (que no caso, na figura de Pessoa), e corre ao longo da história e também acrescenta (ou ao menos reitera) um aspecto importante da estrada que está caminhando o bom Kurjak, marcado sempre pelos acessos de tosse e pela palidez que tem marcado sua face.
O que dizer dos desenhos de Cropera? Boselli o testou pela enésima vez. Além da consolidada capacidade de desenhar personagens com forte carga expressiva, às vezes parece desaparecer, mas também incrivelmente reais (incrível como o fado que vemos cantado em um local dos anos trinta da capital portuguesa), Cropera nos presenteia com a reconstrução de Lisboa do começo do século passado e ainda mais para trás na metade do século XVIII e depois nos projeta em um mundo das perspectivas incertas. Uma prova maiúscula impressionista das cenas de ações no final, muito dinâmicas e com uma majestosa dupla splash page
Um número que nos satisfaz e que talvez tem como único pecado, o fato de pertencer a uma série plena de evoluções e que nunca para. Para quem nunca leu Dampyr, seria fácil partir daqui? Não creio, mas com qualquer informação encontrada na rede (porque não também como o nosso Dampyr Index) e como as sempre preciosas introduções, poderá também fazê-la e gozar de uma história fantástica, surreal, misteriosa e carregada de suspense, enriquecida pelos de um grande artista! 



Crítica publicada no blog: fumettiavventurarecensioni.blogspot.com

sábado, 29 de setembro de 2018


PÁGINA DO DAMPYR 223!
História de Luigi Mignacco com desenhos de Dario Viotti.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018


PÁGINA DE DAMPYR DE NOVEMBRO!
Dampyr 224 - O Santo Vindo da Irlanda - Página desenhada por Michele Cropera.

terça-feira, 25 de setembro de 2018


Dampyr #222 - O Suicídio de Aleister Crowley

O sentimento de inquietude de Boselli


Fazer a biografia de poetas e pessoas que realmente existiram é assunto integrante e fascinante: é este um dos desafios que o co-criador de Dampyr, Mauro Boselli enfrentou durante a elaboração dos textos deste episódio. Depois da apreciada trilogia dampyriana publicada entre abril e junho passados (das quais já falamos), plena de golpes de cena e de acontecimentos e reviravoltas, Boselli retorna então aos textos em uma nova história plenamente inserida da continuação da série. Neste álbum o vulcânico autor milanês, com desenhos de Michele Cropera, tenta-nos contar sobre a famosa questão que há por trás do encontro entre o maior escritor português de todos os tempos, Fernando Pessoa, e, o mais importante e inquietante esoterista e ocultista moderno, Aleister Crowley.
É muito curioso como recentemente (e por recentemente, entendemos esse verão) se acendeu um grande interesse pelo encontro entre estas duas figuras. Nos referimos ao longo artigo escrito por Andrea Scarabelli para o seu blog em 4 de junho; ou aquele de Claudio Gallo para o La Stampa em 8 de junho; dentre outros.
Tudo isso porque, no mês de maio, foi publicado "A Boca do Inferno", de Fernando Pessoa - Aleister Crowley, tendo como curador Marco Pasi, para as edições Federico Tozzi em Saluzzo.
Pela primeira vez estão à disposição dos leitores, críticos e apaixonados, os documentos relativos ao encontro entre os dois, a correspondência integral e o famigerado romance escrito por Pessoa.

Seria bom perguntar a Mauro Boselli quanto tempo atrás a história dampyriana, focado precisamente nesses dois personagens que agora se encontram novamente sob os refletores, já estava concebida, escrita e, enfim, realizada.
Em todo caso nos parece interessante anotar como mais uma vez, o quadrinho se demonstra um meio de expressão perfeitamente capaz de externar quando se move o mundo da cultura. 
Da outra parte, não temos apenas Crowley e pessoa nesta história. O enigma ligado ao misterioso desaparecimento de Crowley, realmente acontecido em 1930 entre as águas da "Boca do Inferno", é o fio condutor de uma história que se religa aos Grandes Antigos lovecraftianos (que já apareceram diversas vezes na saga dampyriana) e para a aterrorizante cidade de R´lyeh, outra parte do imaginário do autor visionário de Providence.
Além dos tantos referimentos, o mérito dos primeiros dois terços do episódio consiste em reinvocar nas páginas de um quadrinho, a atmosfera de uma cidade, Lisboa, e mostrar seu coração pulsante, entre melancolia e fado (a tradicional canção portuguesa).
A história, em si, não é uma das aventuras dampyrianas mais emocionantes criadas pelo "Boss", por causa do espaço muito limitado para ação (relegada substancialmente às cenas finais), mas representa uma fascinante reconstrução histórico-literária no melhor Boselli Style em que convergem todas as mais grandes paixões do nosso incansável autor: a literatura e sem faltar, o horror.
Visualmente, Michele Cropera realiza um trabalho que exalta as cenas em que emerge o lado fantástico, entre monstros (obviamente lovecraftianos), ambientações bem apuradas e geometrias paradoxais escherianas. A evolução estilística mais recente conduziu o ex-desenhista da Lazarus Ledd a utilizar mais apuração para o preenchimento, com resultados não tão eficazes mas de notável atmosfera. 
Um episódio interessante e culturalmente estimulante, não livre de defeitos, mas no geral, acima da média da série.
 
Rolando Veloci & Il Sommo
 
 
 
Publicado originariamente no blog: www.gliaudaci.blogspot.it

domingo, 23 de setembro de 2018


SAIU NO CATÁLOGO PREVIEW!
O SANTO VINDO DA IRLANDA
Um grande número de Dampyr, em dupla versão, bancas e livrarias! Uma história realmente especial para o matador de vampiros Harlan Draka, uma aventura que celebra o sucesso de Dampyr chamando para contá-la quatro desenhistas da série - Michele Rubini, Nicola Genzianella, Michele Cropera e Majo - mas teremos também alguns célebres desenhistas cujas explêndidas páginas se inserirão no correr da história como mágica. E se trata de desenhistas, todos italianos, que participaram do Area Performance, célebre evento, que ocorre na cidade de Lucca, durante a Lucca Comics e Games, onde não por acaso, acontece a história. A seguir, os nomes, em ordem alfabética dos desenhistas locais: Paolo Barbieri, Ivan Cavani, Alberto dal Lago, Antonio de Luca, Edvige Faini, Angelo Montani, Dani Orizio, Lucio Parrillo e Luca Zontani. A história é escrita pelo co-autor da série Mauro Boselli.

sexta-feira, 21 de setembro de 2018


UMA LENDA URBANA JAPONESA!
Em Dampyr 216,  Stefano Piani nos leva a terra do sol nascente, para nos mostrar uma arrepiante lenda urbana!
No Japão feudal, um samurai tinha uma linda mullher, mas era extremamente ciumento! Um dia ao chegar em casa e, no num acesso de ciúme, esquartejou-lhe a boca. Nascia aí a lenda da Kuchisake-onna.
Se ele te encontra-se no caminho, te faria uma pergunta após abaixar a máscara que lhe cobre o rosto: "Pensa que eu sou bela?". Se responder que não, morte certa! Sim como resposta não ajuda muito! Ela ataca suas vítimas com uma tesoura!
Em 1988, um grupo de garotos em um parque de Osaka, tiveram contato com Kuchisake-onna, sem saber quem era! O tempo passou e nos dias atuais, Kenshin Hasegawa, o Ronin, amigo de Harlan começou a ter sonhos com um dos garotos que enfrentou Kuchisake-onna.
Rapidamente Harlan chega ao Japão a pedido do amigo! 
Realmente uma história arrepiante!
Dampyr 216 - A Mulher da Boca Esquertejada - História de Stefano Piani com desenhos de Giorgio Gualandris!