segunda-feira, 2 de maio de 2016


DAMPYR 193: Os Mistérios de Cagliari, a crítica.

Por Francesco Borgoglio

Dampyr 193, lançado nas bancas em 5 de abril passado, se revelou uma edição fundamental para a continuidade, basta recordar os coadjuvantes envolvidos: Samael, Meridiana e Nergal. A história se cruza com aquela inesquecível do Especial 4 - A Viagem dos Loucos e traz à cena, Nicholas, o rapaz que guiava a Cruzada dos jovens. A história escava profundamente no seu passado e no seu presente, fazendo emergir a forte ligação que o liga a Caleb e Nergal. A explêndida capa de Enea Riboldi exprime perfeitamente em uma imagem a história da edição.

O pano de fundo é a Ilha de San Pietro e a maravilhosa Sardenha, onde reencontramos em ação a bela antropóloga Sophie Mutter e seu ciumento namorado, Angelo Sanna, O que leva Harlan a Cagliari é uma macabra descoberta arqueológica do casal e o destino do pequeno Nicholas. Ação joga luz sobre o início do áspero encontro entre Camael e o Mestre da Noite, Chefe da Polícia Secreta da facção escura, bem como, o motivo do confinamento do Amesha em Praga, no Teatro dos Passos Perdidos.

Para aumentar a tensão, eletrizantes doses de mistério e e thriller à trama, é a presença da ambígua e irresistível Meridiana, aliada e amante de Samael, depois de Nergal. Descobriremos alguns eventos extraordinários da vida da demônio e do seu "caso" especial com Gerberto di Aurilac, Papa Silvestre II, pontífice no cargo de durante a passagem do ano 1000, acusado de magia pelo seu interesse pela astronomia e elevada cultura científica e filosófica. 

Os Mistérios de Cagliari é uma edição densa de acontecimentos, estruturada sobre uma trama complexa, rica de acontecimentos e noções que ampliam o fantástico quebra-cabeça criado por Mauro Boselli e Maurizio Colombo que já tem 16 anos. Talvez merecia uma edição dupla, mas a maestria do seu autor consegue de qualquer forma movimentar a história concentrando-a em apenas uma edição. 

Os desenhos são obra de um veterano da série, Nicola Genzianella, que não precisa de apresentação para os fãs de Harlan Draka. Esta série, entre todas aquelas da Sergio Bonelli Editore, é sem dúvida, uma das mais exigentes e desafiadoras para um artista, pela infinidade de ambientações, épocas históricas e personagens envolvidos. O desenhista Milanês passeia entre as dimensões do multiverso e a nossa realidade com extrema naturalidade, assim como é capaz de nos presentear com Meridiana em toda a sua sensualidade e um primeiro plano do Príncipe Iblis, de fazer gelar o sangue nas veias.

   

 
Publicado originariamente no site: www.badcomics.it

sábado, 30 de abril de 2016


DAMPYR 190
Harlan, Tesla e Kurjak irão à fronteira entre o Camboja e o Vietnam à caça de Tziao-Min, o Mestre da Noite do Sudeste Asiático (ele apareceu pela primeira vez no Maxi Dampyr 1, há alguns anos). Harlan está inquieto, pois tem medo que as possíveis profecias do Livro do Tempo Perdido (Dampyr Especial 2015), pois lá, está prevista a morte de Kurjak. Abaixo, o início da história de Claudio Falco, magistralmente desenhada por Silvia Califano.
 
 
Imagens retiradas de Dampyr 190 - A Sombra de Tziao-Min.

quinta-feira, 28 de abril de 2016



RETORNO A CHERNOBYL
No aniversário de trinta anos da tragédia, antecipamos o conteúdo da edição de Dampyr de maio, que se passará na cidade de Pripyat, onde as consequências do desastre nuclear são terríveis até os dia de hoje.

O dia 26 de abril nos relembra um tristíssimo e nefasto aniversário. Fez trinta anos, exatamente no dia 26 de abril de 1986, na usina de Chernobyl, na Ucrânia - então território soviético - que aconteceu o maior desastre nuclear da história. À 1h23min (uma hora e vinte e três minutos), durante um "teste de segurança", ignorando todos os protocolos, o núcleo do reator número 4 da usina nuclear super aqueceu a ponto de provocar o vazamento da água de refrigeração com hidronio e oxigênio, que com isso, elevou-se a pressão e provocou a quebra das tubulações do sistema de resfriamento do reator. O contato do hidrogênio com o grafite incandescente das barras de controle com o ar, provocou a uma fortíssima explosão.

Uma nuvem de material radioativo escapou da usina em chamas. Nas horas e dias sucessivos, mais de 330.000 pessoas foram evacuadas do entorno à Chernobyl e a fumaça radiotiva atingiu rapidamente grande parte dos países europeus e chegou à costa oriental da América do Norte. Na zona do desastre morreram 66 pessoas e ocorreram mais de 4.000 casos de tumor na tireóide, mas, segundo outras estimativas, às consequências do acidente podem ter cifras assustadoras, com estimativas entre 30.000 e 6.000.000 de vítimas. Foi calculado que o desastre de Chernobyl tenha deixado uma quantidade de radiação 400 vezes àquela produzida por ocasião do lançamento da bomba de Hiroshima.

O momento em que os moradores de Pripyat foram avisados e
tiveram suas vidas mudadas, na versão de Andrea Del Campo

Não era e não a nossa intenção "celebrar este aniversário macabro. O episódio "A Cidade Abandonada" (número 194 de Dampyr, nas bancas (italianas) em 5 de maio), foi concebido autonomamente e entra na continuidade do personagem criado por Mauro Boselli e Maurizio Colombo. Recordam, faz alguns meses, no Dampyr 188 "A Marca de Horror de Carcosa", Caleb Lost mostrou a Dampyr e pards, um filme amador produzido em Pripyat, em que os militares, encarregados de repelir intrusos no entorno da usina, em 1986, encontraram um moribundo que falava em inglês, da "para sempre perdido em Carcosa" ? A história de maio desenvolve e se aprofunda neste ponto, revelando horrorosos mistérios ligados às ameaças dos Grandes Antigos escondidos na cidade satélite de Chernobyl, cuja população a abandonou nos dias subsequentes ao desastre na usina, por ordem do governo, e que nunca mais voltou a ser a mesma por causa da radiação nociva para o homem que ainda hoje se revelam nas suas ruas abandonadas.
O autor Luigi Mignacco, quando escreveu essa história, seguramente não pensava nos trinta anos do acidente de Chernobyl. De fato, ele se surpreendeu quando falamos da coincidência. "Já tem trinta anos... Não acredito que tenha passado tanto tempo. A recordação daquele dia, para mim, ainda é bastante vivo. As notícias do desastre atômico acontecido em uma usina além da "cortina de ferro", chegavam nos telejornais da época de modo vago, impreciso... Parecia viver em um filme catastrófico! Diziam que era melhor não sair de casa, que a radiação poderia vir pelo céu, transportada pelo vento..."
 Harlan, Tesla e Kurjak na paisagem desolada da cidade ucraniana hoje.
A aventura de Harlan, Tesla e Kurjak, enviados a Pripyat por Caleb Lost para investigar o desaparecimento de um grupo de turistas em visita à cidade fantasma, não nasce das recordações que o autor tem da época, mas da visão de muitas fotografias e filmes, publicações na grande rede e em jornais, que documentam o estado atual da cidade abandonada. Porque em Pripyat, verdadeiramente se pratica este "turismo do horror", e as imagens de muitos desses visitantes serviram de modelo para o desenhista Andrea Del Campo reconstruir com absoluto realismo, os ambientes de uma história que, como sempre acontece em Dampyr, transportará os leitores muito "além da realidade".
Mas aquilo que não queremos esquecer, junto aos trinta anos passados do desastre, é que na história e nas reportagens os horrores são bem mais sérios do que aqueles produzidos na fantasia dos escritores e desenhistas. 



Matéria publicada originariamente no site: www.sergiobonellieditore.it

terça-feira, 26 de abril de 2016


FABRIZIO RUSSO EM AÇÃO!
Fabrizio Russo e uma página de sua história de época, de autoria de Claudio Falco. Ainda sem data para ser lançada.


domingo, 24 de abril de 2016


DAMPYR 189!
 
Harlan está indo se encontrar com Hanneke em Gand (Bélgica), mas no meio do caminho salva a jovem Amanda de ser atacada. Uma armadilha... a jovem na verdade é Meridiana, aliada de Nergal, que em Aquisgrana (Alemanha) atrai nosso herói para uma casa, na verdade um portal para a casa dos espelhos, que fica no limbo. Nergal quer que Harlan forneça o paradeiro do novo Dampyr, Charles. Na sua luta para sair da armadilha, Dampyr encontra um prisioneiro no local, que o ajuda... Na fuga, aceita uma trégua com Meridiana, para ambos não ficarem presos no lugar!
A história é de Claudio Falco, destaque para os desenhos angustiantes de Alessio Fortunato.
Imagens de Dampyr 189 - A Casa dos Espelhos.

sexta-feira, 22 de abril de 2016


NAPOLI COMICON 2016!
Luca Raimondo estará hoje no stand da Sergio Bonelli Editore, aonde autografará o desenho abaixo! 

quarta-feira, 20 de abril de 2016


PÁGINA DE MARCELO MANGIANTINI!
História que será quadrupla, com 4 desenhistas diferentes. A história será sobre mais um ciclo Amberyano (Amber Tremayne, a tia de Harlan).