terça-feira, 30 de agosto de 2016


NO ACAMPAMENTO DA COMPANHIA!
Durante um sonho, Kurjak "ouviu" a Princesa Xeethra dizer-lhe que tiveram um filho (em Dampyr 101 Kurjak viajou pelo multiverso, e sim, teve um romance com Principesa, em um outro mundo). Através do amigo Timothy O´Brien, ele descobre que o escritor Jack Kelsey, descobriu um portal em sua casa. Sem avisar ninguém, Kurjak para o Maine (EUA), e descobre o portal, que o catapulta para um outro mundo... o mundo das guerreiras mercenárias da Companhia (alusão às Amazonas). Abaixo, o momento em que ele chega ao acampamentos delas! Kurjak agora é propriedade de Dandy, a bela de tapa olho e, para sua surpresa, encontra Linda, nada menos que a esposa de Kelsey. 

Dampyr 173 - A Marca de Alastor - História de Mauro Boselli e desenhos de Esteban Maroto. 

domingo, 28 de agosto de 2016


O MAL RAMIFICANDO!
A imagem abaixo, pode parecer um desagradável acidente mas, não é! Os vizinhos estão começando a se provocarem, ação de Ramingo, um demônio andarilho, que vaga pela América do Norte. Agora ele está em Winter, Iowa. Junto com ele, está chegando uma tempestade gigantesca, como aconteceu há 50 nos atrás... Harlan e o Amesha Anyel, já estão no local, para freiar o mal, antes que tudo fique sem controle!
Dampyr 181 - A Noite de Ódio - História das estreiantes Rita Porretto e Silvia Mericone, os desenhos são de Nicola Genzianella.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016


UMA VISÃO DE ANN JURGING!
Todos os caminhos levam a Paris! Ann quando estudava a faculdade em Berlim, juntamente com mais três colegas, foram encaminhados para um departamento que queria estudar os "poderes" de videntes deles. De repente, Ann sonha com um colega, que está em Paris. Alguém do grupo está tentando buscar o poder supremo... liberando os Grandes Antigos na Terra! Na sequência abaixo, Ann está rodando por Paris, e encontra a torre que vê nos seus sonhos e um estranho objeto, que é a chave do portal, que trará os Grandes Antigos para a Terra! Ela e Harlan têm pouco tempo...
Dampyr 176 - O Outro Portal - História de Nicola Venanzetti e desenhos de Andrea Del Campo.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016


NÃO PASSOU DESAPERCEBIDO!
Em Dampyr 171 - Rapazes Perdidos, que se passa na cidade do Rio de Janeiro, Giovanni Di Gregorio, transformou a Deusa Iansã, numa Mestre da Noite. Dampyr, Tesla e Kurjak, já estão na cidade, investigando sobre meninos de rua que supostamente mortos, estão reaparecendo. Abaixo, nos belíssimos traços de Daniele Statella (que estreiou na série com essa história). Uma das servas da Deusa, que é chamada de mamãe noite, lhe comunica que viu uma não-morta (Tesla), "passeando" pelos telhados da favela.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016


NA CIDADE ETERNA!
Harlan e Kurjak em Roma, atendendo um pedido do Professor Hans Millius. Foram lá para ouvir Professor Palmieri (amigo de Millius), que saiu do coma, após um acidente de carro, por ter sido perseguido por vampiros, segundo ele. Nossos heróis estão instalados no Trastevere, onde Kurjak comprou até livros de poesia, durante um passeio pelo lugar.
Ao se reencontrarem no quarto do Hotel, Harlan conta para nosso soldado, a história da Papisa de Roma, Olimpia Maidalchini, cunhada do Papa Inocêncio X, que segundo os relatos da época, influenciava as decisões do Pontífice, daí o título de Papisa.
Há indícios de que ela tenha sido vampirizada, e, está eliminando todos os chefes do submundo local, Harlan conseguiu uma planta da propriedade dela, quando morou em Roma e, tinha trânsito livre e voz ativa no Vaticano... 

Dampyr 172 - A Papisa de Roma - História de Alessandro Bilotta e desenhos de Andrea Del Campo.

sábado, 20 de agosto de 2016


PAIXÃO POR QUADRINHOS por Giancarlo Vidotto: Dampyr e a geografia da dor


Harlan Draka, o Dampyr da homônima série de quadrinhos da Sergio Bonelli Editore, é filho de um vampiro e de uma humana. A sua natureza híbrida - é de fato um homem mas também potencialmente um vampiro - faz com que seu sangue seja um veneno para os mesmos vampiros, cujo o contato tem um efeito corrosivo e incendiário. DAMPYR é uma série de horror com aventura, idealizada e administrada por Mauro Boselli (autor e co-autor de Tex) e Maurizio Colombo. Junto aos seus companheiros de aventura, Emil Kurjak, ex-soldado Sérvio-Bósnio, e, Tesla Dubcek, letal vampira inspirada na cantora Annie Lennox, tem como base, Praga, uma das cidades mais belas e fascinantes do mundo, camuflada numa aura de mistério e romantismo. Mas o romantismo na série de Dampyr acaba aqui.


Os vampiros em Dampyr não são aqueles românticos das modernas sagas literárias e cinematográficas. Ao contrário, são seres potentes e sedentos de sangue, escondidos no meio dos homens desde o início dos tempos. Os Mestres da Noite - este é o nome da casta dominante e originária - são seres solitários, dotados de incríveis poderes, também psíquicos, que permitiram a esses seres de assumirem no curso da história posição de destaque. Somente os Mestres da Noite podem criar outros vampiros, que organizam em bandos e os controlam através de poderes mentais. Também estes ex-homens são potencialmente imortais, mas são obrigados a obedecerem a seus mestres, pois não têm seus poderes, mas sobretudo, não têm resistência ao sol. Por esse motivo, os Mestres dsa Noite não exitam em usar para os seus serviços, serem humanos normais.


Mas como é possível que esta estirpe de vampiros imortais, junto com seus bandos, puderam se misturar aos humanos e nutrir-se do sangue deles sem deixar traços de sua passagem? A resposta está na capacidade deles de se esconderem nos lugares aonde às condições são mais favoráveis, podem influenciar e causarem eles mesmos: conflitos, guerras e tragédias, mas também ambientes caracterizados pelo isolamento e pobreza. Por esse motivo Harlan, Tesla e Kurjak - na missão deles de caçadores de vampiros - movem-se continuamente seguindo todas as pistas que indiquem a passagem destes sanguinários e cruéis seres. Nessas missões são ajudados por Caleb Lost - ser imortal com a face de David Bowie, e, diretor do "Teatro dos Passos Perdidos" - que se serve de informantes espalhados pelo mundo para recolherem notícias úteis sobre potenciais vampiros e outras criaturas malvadas.


A série Dampyr tem uma forte conotação geográfica - bem como, histórico - caracterizada pela representação de lugares, onde ainda hoje, têm guerras e conflitos, situações de exploração, criminalidade, degradação, pequenas e grandes tragédias. Não é por acaso que os protagonistas vêm de países da ex-Iugoslávia, teatro de uma das guerras mais sangrentas e cruéis ocorridas no século passado. Mas são tantos os lugares de dor, muitas vezes esquecidos que caracterizam a nossa Terra, na África, América do Sul, Ásia, mas também nos países mais evoluídos, embora talvez em áreas mais limitadas. No curso dos anos, aos criadores Boselli e Colombo, se juntaram outros autores, que trouxeram novas experiências e sensibilidade, enriquecendo as aventuras de Harlan e pards de experiências ligadas a lendas históricas e lugares muito próximos a nós. A Itália é de fato riquíssima em histórias misteriosas, eventos perturbadores e lendas ligadas ao folclore local.


Um belo exemplo da geografia da dor em Dampyr, pode ser encontrado nas 3 histórias do Maxy Dampyr atualmente nas bancas. Uma edição contendo aventuras bem escritas e bem desenhadas, atraente e prazeirosa de ler, cada uma caracterizando um lugar e um acontecimento histórico. "Caça a Raposa" de Claudio Falco e Arturo Lozzi, narra acontecimentos ligados à Guerra na Bósnia-Herzergovina e em particular ao trágico passado de Kurjak. "Vale da Escuridão" de Luiggi Mignacco e Andrea Del Campo se passa na Itália, no baixo Piemonte, nos confins com a Liguria, onde trágicos acontecimentos ligados à Segunda Guerra Mundial, causam novos delitos e desaparecimentos. "A Klan Vampira" de Nicola Venanzetti e Daniele Statella acontece no Arkansas, no sul dos Estados Unidos, em lugares aonde a escravidão e a Guerra Civil - no passado - e a maldade e negócios - no presente - constituem terreno fértil para os interesses de um potente e cruel Mestre da Noite.


Horror e aventura, mas também muito trabalho de pesquisa, seja histórica, seja documental, para apresentar de modo real e credível lugares e acontecimentos. É uma marca de fábrica da Bonelli, faz tempo, desde quando Gianluigi Bonelli calculava o tempo a cavalo, que Tex percorreria, nos mapas históricos e inseria referências precisas nas suas aventuras. Tradição repassada para o filho Sergio Bonelli, que transferiu seu amor pela Amazônia e a África para as aventuras de Mister No, utilizando o vasto material de suas viagens para escrever as aventuras. Alfredo Castelli, com a criação de Martin Mystère, fez um mecanismo quase científico, fazendo assim a base das aventuras do seu protagonista. Coisa que, em parte, constitui também o corpo das aventuras de Dampyr.


 Dampyr está nas bancas desde de abril de 2000 ("O FIlho do Diabo") e até hoje conta com 197 edições na série regular, 11 Especiais e 8 Maxi. Atualmente está nas nas bancas com a edição 197 - "A Vingança de Serena". Nas livrarias encontramos também um belo volume com encadernação especial com 416 páginas, "Os Mistérios de Praga", que conta algumas aventuras escritas por Mauro Boselli e desenhadas por Luca Rossi e Nicola Genzianella, este último, autor também da belissima capa de "Os Mistérios de Praga", aliás, capa inédita (que pode ser vista na imagem abaixo.
  








 









Artigo publicado originariamente no site: www.100torri.it

quinta-feira, 18 de agosto de 2016


Dampyr 197: A Vingança de Severa, a crítica.


Por Francesco Borgoglio
As Presas de Annwn, que foi para as bancas (da Itália) A Vingança de Severa, segundo e conclusivo ato da aventura iniciada no mês passado com Dampyr 196. Abandonados como o amigo de Harlan, o arqueólogo Matthew Shady, estávamos em suspense para saber o destino de um punhado de heróis guiados por Aurelio Ambrosio e Taliesin. Pela boca de Amber Tremayne - tia do protagonista que viveu na primeira pessoa a história - agora saberemos como terminou, e o que aconteceu com a Rainha dos Tylwyth Teg, a assustadora Black Annis. 

O título da edição é dedicado ao epiteto original romano, a potente bruxa perdeu o confronto no mundo dela, em Annwn, mas está decidida a vingar-se indo até à Bretanha. Ela conseguirá fazer algumas vítimas em sua terrível vingança.

Entram no jogo outros personagens de destaque da saga arthuriana, todos rigosamente com o apelativo em Galês antigo: Myrddin (Mago Merlin), Drustan (Tristan), Morgawse (Morgana) e seu filho Medraut (Morded). Estes últimos representam duas peças cruciais da trama, que mostra o amor impossível entre Gwerfahr (Ginevra) e LLenlleawg (Lancelot) e ascenção ao trono do General Artos (Arthur).

Morda surge entre as páginas com golpes de Mestre (da Noite, adicionamos nós). Os componentes da sua ração se fazem mais uma vez numerosos no final da história, com a aparição de Draka e depois Sho-Huan. Sim, também o potente viajante multidimensional está ligado de algum modo ao mito de Arthur por um de seus antepassados. Está pronto então a alinhar-se ao lado de Black Annis para o encontro decisivo com os inimigos comuns.

Digna a conclusão de "As Presas de Annwnn", a "Vingança de Severa", é um quadrinho denso de ação, transporte, interesse. Mauro Boselli com um proceder quase científico, dissemina intriga, satisfaz quesitos levantados até agora ao longo da trama, colocando novos e ainda emocionantes, ampliando dramaticamente os limites de sua obra e de Maurizio Colombo, transformando-a em uma incrível fantasia-horror.

A arte e o talento de Marcelo Mangiantini - um veterano da Sergio Bonelli Editore, crescido em Zagor e na segunda experiência com o Filho do Diabo, depois de "A Névoa" de Luigi Mignacco (Maxi Dampyr 7, 2015) - estão concentrados na intensidade gráfica sempre presentes em cada página. Há uma clara ruptura com o estilo e o trato do episódio precedente, ilustrado por Dario Viotti, mas em completa sintonia com a qualidade exigida.


Crítica publicada originariamente no site: www.badcomics.it