terça-feira, 25 de setembro de 2018


Dampyr #222 - O Suicídio de Aleister Crowley

O sentimento de inquietude de Boselli


Fazer a biografia de poetas e pessoas que realmente existiram é assunto integrante e fascinante: é este um dos desafios que o co-criador de Dampyr, Mauro Boselli enfrentou durante a elaboração dos textos deste episódio. Depois da apreciada trilogia dampyriana publicada entre abril e junho passados (das quais já falamos), plena de golpes de cena e de acontecimentos e reviravoltas, Boselli retorna então aos textos em uma nova história plenamente inserida da continuação da série. Neste álbum o vulcânico autor milanês, com desenhos de Michele Cropera, tenta-nos contar sobre a famosa questão que há por trás do encontro entre o maior escritor português de todos os tempos, Fernando Pessoa, e, o mais importante e inquietante esoterista e ocultista moderno, Aleister Crowley.
É muito curioso como recentemente (e por recentemente, entendemos esse verão) se acendeu um grande interesse pelo encontro entre estas duas figuras. Nos referimos ao longo artigo escrito por Andrea Scarabelli para o seu blog em 4 de junho; ou aquele de Claudio Gallo para o La Stampa em 8 de junho; dentre outros.
Tudo isso porque, no mês de maio, foi publicado "A Boca do Inferno", de Fernando Pessoa - Aleister Crowley, tendo como curador Marco Pasi, para as edições Federico Tozzi em Saluzzo.
Pela primeira vez estão à disposição dos leitores, críticos e apaixonados, os documentos relativos ao encontro entre os dois, a correspondência integral e o famigerado romance escrito por Pessoa.

Seria bom perguntar a Mauro Boselli quanto tempo atrás a história dampyriana, focado precisamente nesses dois personagens que agora se encontram novamente sob os refletores, já estava concebida, escrita e, enfim, realizada.
Em todo caso nos parece interessante anotar como mais uma vez, o quadrinho se demonstra um meio de expressão perfeitamente capaz de externar quando se move o mundo da cultura. 
Da outra parte, não temos apenas Crowley e pessoa nesta história. O enigma ligado ao misterioso desaparecimento de Crowley, realmente acontecido em 1930 entre as águas da "Boca do Inferno", é o fio condutor de uma história que se religa aos Grandes Antigos lovecraftianos (que já apareceram diversas vezes na saga dampyriana) e para a aterrorizante cidade de R´lyeh, outra parte do imaginário do autor visionário de Providence.
Além dos tantos referimentos, o mérito dos primeiros dois terços do episódio consiste em reinvocar nas páginas de um quadrinho, a atmosfera de uma cidade, Lisboa, e mostrar seu coração pulsante, entre melancolia e fado (a tradicional canção portuguesa).
A história, em si, não é uma das aventuras dampyrianas mais emocionantes criadas pelo "Boss", por causa do espaço muito limitado para ação (relegada substancialmente às cenas finais), mas representa uma fascinante reconstrução histórico-literária no melhor Boselli Style em que convergem todas as mais grandes paixões do nosso incansável autor: a literatura e sem faltar, o horror.
Visualmente, Michele Cropera realiza um trabalho que exalta as cenas em que emerge o lado fantástico, entre monstros (obviamente lovecraftianos), ambientações bem apuradas e geometrias paradoxais escherianas. A evolução estilística mais recente conduziu o ex-desenhista da Lazarus Ledd a utilizar mais apuração para o preenchimento, com resultados não tão eficazes mas de notável atmosfera. 
Um episódio interessante e culturalmente estimulante, não livre de defeitos, mas no geral, acima da média da série.
 
Rolando Veloci & Il Sommo
 
 
 
Publicado originariamente no blog: www.gliaudaci.blogspot.it

domingo, 23 de setembro de 2018


SAIU NO CATÁLOGO PREVIEW!
O SANTO VINDO DA IRLANDA
Um grande número de Dampyr, em dupla versão, bancas e livrarias! Uma história realmente especial para o matador de vampiros Harlan Draka, uma aventura que celebra o sucesso de Dampyr chamando para contá-la quatro desenhistas da série - Michele Rubini, Nicola Genzianella, Michele Cropera e Majo - mas teremos também alguns célebres desenhistas cujas explêndidas páginas se inserirão no correr da história como mágica. E se trata de desenhistas, todos italianos, que participaram do Area Performance, célebre evento, que ocorre na cidade de Lucca, durante a Lucca Comics e Games, onde não por acaso, acontece a história. A seguir, os nomes, em ordem alfabética dos desenhistas locais: Paolo Barbieri, Ivan Cavani, Alberto dal Lago, Antonio de Luca, Edvige Faini, Angelo Montani, Dani Orizio, Lucio Parrillo e Luca Zontani. A história é escrita pelo co-autor da série Mauro Boselli.

sexta-feira, 21 de setembro de 2018


UMA LENDA URBANA JAPONESA!
Em Dampyr 216,  Stefano Piani nos leva a terra do sol nascente, para nos mostrar uma arrepiante lenda urbana!
No Japão feudal, um samurai tinha uma linda mullher, mas era extremamente ciumento! Um dia ao chegar em casa e, no num acesso de ciúme, esquartejou-lhe a boca. Nascia aí a lenda da Kuchisake-onna.
Se ele te encontra-se no caminho, te faria uma pergunta após abaixar a máscara que lhe cobre o rosto: "Pensa que eu sou bela?". Se responder que não, morte certa! Sim como resposta não ajuda muito! Ela ataca suas vítimas com uma tesoura!
Em 1988, um grupo de garotos em um parque de Osaka, tiveram contato com Kuchisake-onna, sem saber quem era! O tempo passou e nos dias atuais, Kenshin Hasegawa, o Ronin, amigo de Harlan começou a ter sonhos com um dos garotos que enfrentou Kuchisake-onna.
Rapidamente Harlan chega ao Japão a pedido do amigo! 
Realmente uma história arrepiante!
Dampyr 216 - A Mulher da Boca Esquertejada - História de Stefano Piani com desenhos de Giorgio Gualandris!

quarta-feira, 19 de setembro de 2018


NICOLA GENZIANELLA!
O desenhista de Dampyr 213 da redação, nos mostra uma página da nova história em que está trabalhando.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018


Dampyr #222 - (Boselli, Cropera)
por Gianluigi Filipelli
 
 
 
Introduzido no número 192, retorna nas páginas de Dampyr, o incompreendido Aleister Crowley, ligando o seu envolvimento na série com os grandes antigos, criados nas páginas dos contos originais do Ciclo de Cthulu de Howard Philips Lovecraft. Nesta ocasião Mauro Boselli se concentra no falso suicídio que Crowley encenou em setembro de 1930, com a cumplicidade do poeta português Fernando Pessoa, seu amigo e correspondente. Apenas a presença de Pessoa leva ao "O Suicídio de Aleister Crowley", aquele véu de melancolia que enfatiza ainda mais a diabólica dupla natureza satanista.
A explicação de Boselli para o falso suicídio é simples: Crowley tinha a necessidade de realizar o rito que evitaria um novo despertar de Cthulu, como aquele que causou o maremoto de 1795, que destruiu Lisboa.
A estrutura da história, como os leitores de Dampyr já conhecem, constitui-se da reconstrução dos fatos e uma coleção de pistas, tanto pela leitora de tomos empoeirados, no mais clássico estilo aventureiro, ambos com visões místicas do passado. A parte mais ativa é indubitavelmente o terço final, com a missão do grupo guiado por Harlan Draka na ilha onde surge a cidade de R´Lyeh.
Particularmente nesta última parte Michele Cropera dá o melhor de si, mostrando com splash page de clara inspiração em M.C.Escher, a desorientação dos protagonistas, ou a visualização bem sucedida dos monstros lovecraftianos. No geral, o típico mas eficaz mix dampyriano de diferentes inspirações.

Falamos de:
Dampyr #222 - O Suicídio de Aleister Crowley
Mauro Boselli, Michele Cropera
Sergio Bonelli Editore, setembro de 2018
96 páginas, em preto & branco, 3,50 euro 
 
 
 
Publicado originariamente no site: www.lospaziobianco.it 

sábado, 15 de setembro de 2018


SIMONE DELADIO!
O novo desenhista de Dampyr, da redação, nos exibe uma página da história que está trabalhando!

quinta-feira, 13 de setembro de 2018


Uma página do Dampyr que foi para as bancas no começo do mês. História de Boselli com desenhos de Michele Cropera!