terça-feira, 30 de junho de 2015


"Não! Será a nossa força a convencê-los! Se, com a nossa força, nós dos níveis inferiores contribuiremos para expulsar os estrangeiros do nosso mundo, também os nobres deveriam fazer como nós! E então as coisas realmente mudarão!"

Com a edição nº 183 se conclue a história dupla ambientada na Dimensão Negra escrita por Mauro Boselli e desenhada por Maurizio Rosenzweig. Um duplo fio liga Harlan Draka e Conde Straygor, novo ditador da Dimensão Negra. Ambos alunos do Professor Vapula, deverão confrontar-se e o resultado parece imprevisível.


LIBERDADE E OPRESSÃO
Ao término da incursão de Dampyr, na edição 182 para salvar as Sentinelas Negras rebeldes condenadas a morte, o Conde Straygor impôs aos sacerdotes do Alto Conselho de aceitarem ele e o General Zefon como novos ditadores da Dimensão Negra, em troca da estabilidade do status da casta dominante. Uma proposta/imposição que não encontra oposição e que abre assim as portas a uma possível invasão, mascarada de suporte, das armadas infernais do Príncipe Alastor. O movimento de Harlan, Ryakar e Layselan pode então ter trago mais fama que vantagens a causa rebelde. Mas, na guerra, a estratégia melhor pode se sobressair à força dos números. E Harlan Draka sabe que o Conde Straygor teve um ótimo professor, Vapula. Mestre da Escola Negra, a Universidade do Inferno, e Marechal da Armada Infernal, Vapula ensinou dentre outras, as técnicas de combate, da estratégia militar, mas sobretudo a honra em batalha. O respeito ao venerado mestre e o rancor pelo odiado adversário, serão a base do confronto entre os dois ex-alunos. Um encontro para demonstrar também quem realmente é o melhor entre os dois e discípulo predileto. Mas o General Zefon está consciente que o tempo deve ser aproveitado da melhor forma para tirar proveito político-estratégico de ser governo e fazer vir as Armadas Infernais para destruir toda resistência e impor-se na Dimensão Negra. Um projeto que não contempla a sobrevivência de algumas espécies, mas somente a subordinação daquele mundo às expectativas expansionistas infernais. Um mundo que por muito tempo viu as castas dominantes dos sacerdotes e nobres massacrarem seu súditos. E Khaled, deixa a Terra e retornando a seu mundo, tentará acalmar os ânimos de seus conterrâneos e unir todo o povo contra a invasão pela possibilidade de um novo futuro de liberdade e igualdade.



A HONRA EM BATALHA

No número 183 de Dampyr, Ditadura Infernal, os desenhos de Rosenzweig acompanham ricamente a história escrita por Boselli. As páginas do duelo na arena são uma sequência de tirar o fôlego que prendem os leitores e transportam os apaixonados pela série direto para as tribunas, junto aos demônios das castas inferiores. A relação entre mentor e aluno, já mostrada na edição anterior, encontra nesta história a máxima expressão com o encontro entre Vapula, Harlan e Straygor. Mas a história trás a tona também antigos valores dos cavaleiros como honra, o respeito pelo adversário e pelas regras de um duelo. Regras que, enfim, também o Príncipe Iblis deverá fazer respeitar para não violar a Lei do Equilíbrio. Além disso, Boselli conduz os leitores não somente ao interior da ação, mas literalmente transporta o público dentro da psique dos personagens, catapultando-os nos pesadelos de Kurjak e Harlan, atravessando as inquietudes que nossos heróis carregam na bagagem, das duras batalhas que enfrentaram. A capa de Enea Riboldi, com Dampyr protegido por uma couraça, armado e coberto de sangue, registra magistralmente o ápice da história.
Depois de ter lido num piscar de olhos Dampyr 183, não nos resta outra opção senão esperar a próxima aventura do matador de vampiros da SBE, que estará nas bancas em 3 de julho, escrita por Diego Cajelli e desenhada por Fabrizio Russo - "Os Esquecidos".


Matéria publicada originariamente no site: www.c4comic.it

domingo, 28 de junho de 2015


Dampyr 179 - Crítica


Dampyr e o hospital que não deveria existir


"Caros amigos damyrianos, estamos aqui de novo para falar do nosso matador de vampiros preferido! O personagem idealizado por Mauro Boselli e Maurizio Colombo, chega a cento e setenta e nove edições, com uma história que antecipa retorno da série à continuidade (com "O Filho de Kurjak" - 180 - que foi para as bancas italianas em 5 de março). Para a ocasião, Mr. "escreve tudo" Boselli, confiou a um trio de todo respeito a confecção desta história: os escritores Samuel Marolla e Diego Cajelli  e - naturalmente - o audaz desenhista Alessio Fortunato.
 ...
Iniciava assim - a crítica que tínhamos começado a escrever nos primeiros dias de frio e chuva de fevereiro passado. Foram necessários que alguns Audazes se dedicassem a corrigir os escritos. Chegamos a este junho radiante e úmido que vemos concluir-se a estupenda história dupla realizada por Boselli e Rosenzweig (Dampyr 182 e 183). Mas o espaço temporal de uma crítica não é sempre um fator invalidante porque escrever - de fato a história em questão, alguns já escreveram e foi lido por alguns - e a liberdade maior então, como se diz no dialeto Audaz, tudo tem seu fascínio, nós garantímos. Depois desse embaraçante preâmbulo, passamos a falar sobre "O Hospital Amaldiçoado", Dampyr 179. Boa leitura!
A angustiante e macabra história macabra se desenvolve no interior de um hospital abandonado, situado na Ilha de Arran, ao largo da costa da Escócia. Os passageiros do "Northern Star", nome do navio que faz cruzeiros, encaram uma experiência que recorda muito aquela dos passageiros do Concordia. Depois do naufrágio da embarcação, as autoridades da Ilha, para fazer os primeiros socorros, decidem reabrir o velho e - com razão - Hospital "Bran Moor". Willian Hopley, agente de polícia local, que já conhecia a fama do hospital no passado, chama para investigar a sua amiga Maud Nightingale, caçadora de fantasmas, que trás com ela um amigo expert em caso de manifestações fantasmagóricas, vampiros e monstros variados (adivinhem que é?). Inútil dizer-lhes que o nosso Harlan será fundamental para que o Hospital "Bran Moor", feche as portas de uma vez por todas!
As ambientações da história é o ponto alto - e muito usadas - para a realização de uma história de horror como os fãs gostam! Apesar das nossas expectativas com relação a edição, durante toda a leitura da história não nos convenceu totalmente. O argumento nem sempre consegue evitar um certo sabor de déjà vu e ação não satisfaz como poderia.
Mas isso não tolhe o impacto visual da vívida representação de pesadelos e angustia que emergem no contexto claustrofóbico do hospital amaldiçoado eficazmente desenhado por Alessio Fortunato. Sobretudo, as perspectivas distorcidas, as atmofesras inquietantes e as passagens em que as palavras são quase supérfluas, tornando palpáveis os medos mais escuros. Exatamente o que deve-se propor um quadrinho de horror, buscar a parte mais irracional de todos nós.

O roteiro e parte do argumento foram realizados por Samuel Marolla, no seu quarto trabalho na série regular. O autor retorna depois de trinta meses, seu último trabalho foi a "Casa do Crepúsculo" (Dampyr 149, agosto de 2012), cujo desenhista foi Maurizio Dotti, que era muito querido dos leitores. Mas uma repassada no seu trabalho em Dampyr, não podemos deixar de citar sua fulminante estréia, "A Pousada" (Dampyr 128, novembro de 2010), realizada graficamente por Arturo Lozzi e a segunda história "A Boneca Veneziana" (Dampyr 143, fevereiro de 2012), realizada por um inspiradíssimo Alessio Fortunato nos desenhos. Sua última história, cronologicamente, foi "Os Horrores de Khara Khoto" (Maxi Dampyr 6, julho de 2014), com desenhos de Fabiano Ambu.

Diego Cajelli, co-autor da edição, é uma das colunas da série e seu trabalho é sempre elogiado pelo público da SBE. Nascido em Milão, 1971, fez seu ingresso na Bonelli na metade dos anos 90, colaborando com Carlo Ambrosini. Não parou mais. Sua contribuição em Dampyr, como já foi falado, é extensa. E por esses dias, foi para as livrarias, seu primeiro trabalho literário.


Falemos agora do realizador gráfico desta história, que nos permitiu com seu trabalho, gozarmos dessa angustiante aventura dampyriana: Alessio Fortunato. Quem segue o blog, sabe da nossa admiração pelo trabalho dele. Recebeu o prêmio de Personagem Audaz, no ano da primeira edição do prêmio. A sua estréia em Dampyr aconteceu em janeiro de 2011, com a inesquecível aventura "A Casa das Cegonhas" (Dampyr 130, com textos de Mauro Boselli); seu segundo trabalho foi, a já citada, "A Boneca Veneziana" e treze meses depois, seu penúltimo trabalho, "Noite no Grand Guignol", sempre com textos de Boselli. Falar do traço divino de nosso amigo da Puglia, nos parece redundante. Trata-se de um dos maiores desenhistas italianos vivo, e, sem sombra de dúvidas, um talento ainda em fase de crescimento. O seu estilo continua a evoluir em direção das margens que talvez ele próprio não tenha conhecimento disso. O que temos certeza é que o resultado final é sempre uma delícia para os olhos e isso precisamos reconhecer.


Ilustração de Alessio Fortunato para a Napoli Comicon 2015




"O Hospital Amaldiçoado"

Série: Dampyr
Número: 179
Data: fevereiro/2015
Sergio Bonelli Editore

Roteiro: Samuel Marolla
Argumento: Diego Cajelli e Samuel Marolla
Desenhos: Alessio Fortunato
Capa: Enea Riboldi









Matéria publicada originariamente no blog: gliaudaci.blogspot.com

sexta-feira, 26 de junho de 2015


DAMPYR 179
(início)
Um cruzeiro em pleno inverno pelo norte da Europa... Existe! O que os turistas não contavam era um problema no navio "Northern Star". Isso obriga o capitão a atracar na Ilha de Arran, na costa da Escócia. Para atender os feridos o velho Hospital "Bran Moor", foi reaberto! Existem rumores que ele é amaldiçoado. Um agente de polícia da ilha, chama sua amiga Maud Nightingale para investigar o desaparecimento de pacientes no "Bran Moor", com ela está Harlan Draka.
Imagens retiradas de Dampyr 179 - O Hospital Amaldiçoado! História de Samuel Marolla e Diego Cajelli com desenhos de Alessio Fortunato.

quarta-feira, 24 de junho de 2015



Número: 183
Episódio: Ditadura Infernal
Argumento e Roteiro: Mauro Boselli
Desenhos: Maurizio Rosenzweig 
Capa: Enea Riboldi 
Letrista: Riccardo Riboldi
Mês: 06-2015
Colorido: Não
Páginas: 96


Nesta edição de Dampyr, desde o dia 5 nas bancas italianas, vemos a conclusão da aventura - e da guerra - iniciada na edição de maio. Também nesta aventura vemos juntos Mauro Boselli na autoria da história e Maurizio Rosenzweig nos desenhos.

A intervenção de Harlane de seus companheiros na guerra civil, em curso na Dimensão Negra, fez com que as Sentinelas Negras, guiadas por Ratsek, não sem justiçadas publicamente mas, contra essa intervenção, o Conde Straygor e o General Zefon se auto-proclamaram ditadores daquela porção do multiuniverso e deram início a uma série de expedições punitivas contra os responsáveis, que segundo eles, iniciaram a rebelião contra as castas dominantes.
Dampyr, junto com os rebeldes, vão se esforçar para suprimir essas expedições, mantendo a guerra "sob controle", situação que permitirá a Armada Infernal a encontrar Zefon e Straygor, facilitando a conquista da Dimensão Negra.
O Conde Straygor decide jogar uma outra carta: se refugia na Escola Negra e entra em contato com o Professor Vapula, mestre do combate e da estratégia militar que foi derrotado por Harlan, prometendo vingança se aliarem a ele no confronto. Vapula não nutre nenhum desejo de se vingar de Dampyr, mas se oferece para arbitrar um duelo entre os dois, onde vença o melhor.

Esta é uma das melhores aventuras escritas por Boselli, um explendida história de ficção heróica, onde não faltam intrigas políticas, códigos de honras de cavaleiros, e as batalhas até a última gota de sangue, como também, armas mágicas.
Aquilo que falta nos romances de ficção, encontramos nesta edição, que são as explendidas ilustrações de Maurizio Rosenzweig que, desde a edição anterior, demonstrou intimidade com as fantásticas criaturas que habitam a Dimensão Negra. Explendidas também as cenas de ação no duelo entre Straygor e Harlan, com destaque para o uso da onomatopéia.



Matéria publicada originariamente no blog: www.ilcatafalco.blogspot.it

segunda-feira, 22 de junho de 2015


TUDO PARA SALVAR TESLA!
O Coronel Joshua Raffer oferece entretenimento a milionários entediados... ele agora oferece aos seus clientes, uma briga entre vampiros. Ele já tem um vampiro sobre seu poder, Zaldivar Mundo, transformado pelo Mestre da Noite Vathek. E sequestou Tesla! Dampyr e Kurjak, seguindo uma pista... partem para as montanhas nos arredores de Granada (Espanha). Kurjak tem pressa em salvar sua Tesla, e, não deixa prisioneiros, até para evitar um possível alarme. Eles conseguem chegar ao local, aonde nossa heroína, está prisioneira.

Os desenhos são de Maurizio Dotti (Dampyr 149 - A Casa do Crepúsculo)

sábado, 20 de junho de 2015


HARLAN A SARNO!
Por Luca Raimondo. O desenhista estará presente hoje no evento de quadrinhos da cidade italiana.

quinta-feira, 18 de junho de 2015


DARTMOOR!
Página de Fabiano Ambu da história de outubro. Dartmoor é o título da aventura. A querida Maud Nightingale estará de volta!